Construindo uma resposta equitativa na Guatemala

03 de fevereiro de 2022

Construindo uma resposta equitativa na Guatemala

Apoio a Gestantes, Mulheres Indígenas e Adolescentes durante a Pandemia do COVID-19

“O COVID-19 reconfigurou as vidas e realidades de indivíduos e famílias e resultou na reorientação das prioridades e orçamentos de saúde. Na Guatemala, mulheres grávidas e adolescentes perderam o acesso a serviços pré-natais e preventivos essenciais ou assistência institucional ao parto, e vimos um aumento nos partos domiciliares, complicações obstétricas e morbidade ou mortalidade materna.”

— Mirna Montenegro, Diretora da OSAR

Como na maioria dos países, os desafios impostos pela COVID-19 na Guatemala reduziram o acesso das mulheres a serviços essenciais e impactaram negativamente a saúde de mulheres e adolescentes. As comunidades indígenas do Planalto Ocidental do país foram particularmente afetadas devido às fragilidades pré-existentes do sistema de saúde, que luta para fornecer cuidados de alta qualidade que respondam às necessidades e prioridades das mulheres indígenas rurais.

Uma análise liderada pelo Observatório de Saúde Sexual e Reprodutiva (OSAR) mostra que, entre 2019 e 2020, a Guatemala registrou reduções de 30% na assistência pré-natal, 70% no acesso ao planejamento familiar e 35% na assistência ao parto institucional, com reduções mais acentuadas nas comunidades indígenas e pobres.

Manter os serviços essenciais de saúde para mulheres, crianças e adolescentes enquanto mitiga o impacto da pandemia representa um tremendo desafio.


Adaptar o apoio para atender às necessidades das gestantes indígenas durante a pandemia

A Projeto Mães e Bebês Saudáveis — conhecido pelo seu nome local na língua Quiché, Utz' Na'n, — fortalece a capacidade local de prestar cuidados pré-natais (APN) de alta qualidade e culturalmente respeitosos e melhorar o uso oportuno e de qualidade de APN pelas mulheres e adolescentes indígenas. Implementado pela Management Sciences for Health (MSH), em conjunto com parceiros locais Associação PIES do Ocidente (PIES), OSAR e o Ministério da Saúde da Guatemala, o projeto está trabalhando para construir um sistema de saúde mais equitativo e responsivo nos departamentos de Quetzaltenango e San Marcos, na região das Terras Altas da Guatemala.

Mulher grávida na Guatemala falando ao telefone
Crédito da foto: MSH

“Quando o COVID-19 chegou à Guatemala, muitas mulheres não puderam viajar para as unidades de saúde para fazer check-ups de CPN devido a bloqueios locais, então ajudamos as parteiras tradicionais (parteiras) conectam-se com as gestantes por outros meios, inclusive WhatsApp, para prestar aconselhamento por telefone. Isso permitiu que as comadronas continuassem acompanhando as mães grávidas, respondendo perguntas sobre a gravidez e encaminhá-las para unidades de saúde em casos de emergência.”

— Felipe Lopez, Diretor de Projetos da Utz' Na'n

Mesmo durante a pandemia, com o apoio de nossos parceiros locais e em colaboração com o Ministério da Saúde e uma rede de parteiras, o projeto continuou a implementar seu modelo inovador de ANC em grupo, que está sendo ampliado para melhorar a qualidade e a capacidade de resposta cultural dos serviços . Nos últimos meses, o projeto treinou mais de 50 facilitadores nos departamentos de San Marcos e Quetzaltenango, que estão começando a convocar sessões de ANC em pequenos grupos reunidos ao ar livre para respeitar os protocolos de segurança da COVID-19.

Incluindo mulheres grávidas na Resposta Nacional Covid-19 da Guatemala

Em apoio ao plano de resposta do governo à COVID-19, o projeto também defendeu a inclusão de mulheres grávidas e adolescentes como um grupo prioritário na implementação nacional de vacinação contra a COVID-19. Em parceria com a Associação de Doenças Infecciosas da Guatemala, a Associação de Ginecologistas e Obstetras e o Colégio de Médicos, os parceiros do projeto lançaram uma estratégia de advocacia para usar a advocacia baseada em evidências com autoridades de saúde e formuladores de políticas em nível nacional. Esforços regionais semelhantes foram conduzidos pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)/OMS, fornecendo validade adicional para a priorização de gestantes.

“Com dados recentes em mãos, começamos a defender junto ao Congresso e ao Vice-Ministro da Atenção Primária à Saúde a criação de um novo escritório nacional focado exclusivamente na promoção da saúde materno-infantil durante a pandemia e na alocação de recursos suficientes para garantir a continuidade dos serviços essenciais de saúde materna, inclusive para as mais marginalizadas”.

— Mirna Montenegro, Diretora da OSAR

Como resultado desses esforços, e apoiados por evidências globais sobre a segurança da vacina COVID-19 para mulheres grávidas e lactantes, em setembro de 2021, o Ministério da Saúde da Guatemala começou a priorizar as mulheres grávidas na estratégia nacional de lançamento da vacina COVID-19.

Equipe MSH na Guatemala trabalhando com parceiros locais
Crédito da foto: MSH

“Nossos esforços de compartilhamento de dados para tomada de decisões resultaram em atualizações nas diretrizes de vacinação, discussões informadas com tutores/responsáveis ​​e profissionais de saúde sobre a necessidade de alcançar adolescentes grávidas com a vacina.”

— Mirna Montenegro, Diretora da OSAR

No início de setembro, as vacinas COVID-19 ficaram disponíveis para gestantes e foi lançada uma campanha nacional de comunicação com mensagens-chave para gestantes, incluindo campanhas diferenciadas em línguas indígenas. Em Quetzaltenango e San Marcos, o projeto começou a monitorar a implementação do plano nacional de vacinação COVID-19 entre as mulheres grávidas; o fornecimento da vacina COVID-19, inclusive em unidades de saúde muito remotas; e se informações precisas sobre a vacina estão chegando às gestantes indígenas e suas famílias. Essa estratégia incluiu deliberadamente adolescentes grávidas (12 a 17 anos) na estratégia nacional de vacinação, pois mais de 30% de todas as gestações na Guatemala ocorrem entre adolescentes.

Atender às necessidades de saúde de mulheres e adolescentes rurais e indígenas durante e além da pandemia requer uma abordagem nacional e comunitária. Utz' Nan'n continuará a defender a inclusão de mulheres grávidas na resposta nacional à pandemia. Continuando a fortalecer os serviços de CPN para mulheres grávidas, utilizando agentes comunitários de saúde confiáveis, como parteiras tradicionais. Sabendo que o atendimento pré-natal oferece um excelente ponto de entrada para fornecer informações precisas sobre prevenção da COVID-19 e segurança de vacinas, o projeto combinará esses esforços para garantir que as mulheres rurais, indígenas, grávidas e adolescentes sejam priorizadas.

Procurar