Mantendo o fluxo de medicamentos na Ucrânia durante uma guerra

27 de Junho de 2022

Mantendo o fluxo de medicamentos na Ucrânia durante uma guerra

A invasão da Ucrânia pela Rússia teve consequências devastadoras para seus cidadãos, bem como para instituições centrais no setor de saúde, com centenas de instalações dizimadas por bombardeios e outros ataques.  

A parceria de anos da Management Sciences for Health (MSH) com o governo para implementar a Atividade de Medicamentos Seguros, Acessíveis e Eficazes para Ucranianos (SAFEMed) da USAID lançou as bases para ajudar o país a se adaptar rapidamente para enfrentar esses desafios. 

Antes da invasão, a SAFEMed estava ajudando a fortalecer o setor farmacêutico do país por meio de atividades como aumentar a transparência e a eficiência, ao mesmo tempo em que reduzia o custo da compra estatal de produtos médicos com a criação de uma Agência Central de Compras Médicas. O objetivo final é garantir que os pacientes possam acessar medicamentos que salvam vidas para HIV, TB, COVID-19 e muito mais. 

Quando a guerra começou, o Ministério da Saúde ucraniano pediu ao MSH que ajudasse a montar e gerenciar a entrega de suprimentos médicos humanitários, de medicamentos essenciais a kits de primeiros socorros de emergência e macas hospitalares.  

Mais de 12 milhões de ucranianos fugiram de suas casas, incluindo a maioria da equipe do projeto SAFEMed. No entanto, eles continuam a realizar seu trabalho fora do país ou nas regiões ocidentais mais seguras. Enquanto isso, todos os funcionários do sexo masculino tiveram que permanecer na Ucrânia devido a restrições que impediam que homens de 18 a 60 anos deixassem o país. Alguns heroicamente escolheram ficar em Kyiv mesmo quando a luta ativa estava acontecendo nas proximidades nos primeiros dias da guerra. Fizeram-no para continuar a prestar apoio crítico ao ministério à medida que respondia à crescente crise humanitária. Muitos funcionários continuam a apoiar o esforço de guerra em seu tempo livre, enquanto um membro da equipe foi chamado para o serviço militar.   

A MSH está fornecendo suporte técnico para projetar, coordenar e monitorar o sistema de cadeia de suprimentos necessário para fornecer uma proporção substancial da assistência médica humanitária que chega ao país de governos e doadores privados na Europa e na América do Norte.  

A pedido do Ministério da Saúde, a MSH identificou e contratou 10 armazéns públicos e privados para armazenar e classificar mercadorias que chegam à Ucrânia, bem como três fornecedores de logística do setor privado para distribuir as mercadorias para unidades de saúde em todo o país. A cadeia de suprimentos foi rapidamente implantada devido à existência de um sistema ágil de informações de commodities, desenvolvido com o apoio do MSH nos últimos anos, que gerencia a oferta e a demanda de medicamentos adquiridos pelo Estado. 

Até o final de maio, com o apoio da MSH, mais de 6,500 toneladas de suprimentos no valor de US$ 266 milhões foram distribuídos para unidades de saúde em todas as regiões do país. 

O vibrante setor farmacêutico doméstico da Ucrânia, um mercado de US$ 2 bilhões antes da guerra, inicialmente quebrou. Caminhões não podiam fazer entregas. Os locais de fabricação foram bombardeados e destruídos. Mais da metade de todas as farmácias não conseguiram dispensar medicamentos uma vez ou outra. Lentamente, à medida que a guerra se tornou mais localizada, o setor farmacêutico está começando a se recuperar.  

Em parceria com um escritório de advocacia local, a MSH ajudou a moldar a legislação para diminuir as barreiras à importação de medicamentos e à aceitação de produtos doados. Depois que o governo permitiu que estudantes de medicina dispensassem tratamentos, a MSH fez parceria com universidades locais para fornecer o treinamento necessário. 

A equipe e os parceiros da SAFEMed continuam a ajudar a Ucrânia a responder à crise e a reformar seu setor farmacêutico com agilidade e resiliência e trabalhando em todos os setores para garantir serviços essenciais. 

Procurar