Perguntas e respostas: Vinod Guptan, CEO da MedSource, sobre como tornar as cadeias de suprimentos mais inovadoras no Quênia 

27 de Junho de 2022

Perguntas e respostas: Vinod Guptan, CEO da MedSource, sobre como tornar as cadeias de suprimentos mais inovadoras no Quênia 

MedSource é apenas uma história de sucesso de como os 50 anos de experiência da MSH são usados ​​para fortalecer a cadeia de fornecimento de medicamentos e produtos de saúde por meio do setor privado. A subsidiária da MSH está interrompendo o status quo para garantir que medicamentos de qualidade sejam acessíveis e acessíveis a todos. A MedSource faz isso por meio de sua plataforma baseada na web, que está disponível para farmácias, hospitais e outros compradores pré-aprovados e é reforçada por IA, análise de dados em tempo real e descontos pré-negociados com base em compras em grupo - reduzindo os preços para os consumidores . 

O CEO Vinod Guptan passou quase três décadas trabalhando na África, Ásia e América do Sul em desafios de fabricação e cadeia de suprimentos em várias empresas farmacêuticas. Aqui ele fala sobre como a MedSource está lidando com a pandemia do COVID-19 e suas ambições para o futuro.  

Você veio a bordo durante uma pandemia. Como a MedSource ajudou a manter um suprimento constante de medicamentos durante esse período desafiador?  

Colocar todos os nossos clientes em nossa plataforma eletrônica segura e usá-la tem sido fundamental. Isso permite que eles vejam quais produtos estão disponíveis e a que preço em tempo real para tomar decisões de compra informadas. Antes da pandemia, muitos clientes – farmácias, hospitais e clínicas – não estavam na plataforma ou estavam inativos. A pandemia serviu de gatilho para quem estava inativo voltar a usar. Apesar dessas condições difíceis, a adesão ao MedSource aumentou de aproximadamente 365 no final de 2020 para mais de 600 no final de março de 2022.   

Como resultado de trazer mais farmácias, hospitais, clínicas odontológicas e outros a bordo, estamos alcançando cerca de 5 milhões de quenianos – cerca de 10% da população.  

A MedSource também expandiu a disponibilidade de equipamentos de proteção individual (EPI), diagnósticos e terapias em nosso catálogo, adicionando mais de 900 produtos relacionados à COVID à nossa lista de produtos.   

Uma maneira de expandirmos os suprimentos foi encontrar fabricantes locais quando muitos de nossos distribuidores que estavam comprando de fora do país estavam sem estoque e os EPIs não podiam ser importados.  

Quais foram alguns dos maiores obstáculos para a MedSource e seus membros, e como você se adaptou?  

Lidar com a interrupção da cadeia de suprimentos da pandemia tem sido um grande desafio, em parte porque o Quênia importa a grande maioria de seus produtos médicos. 

Nossa plataforma permitiu visibilidade no mercado e nos deu oportunidades para sermos criativos.  

Por exemplo, vimos que houve um aumento na demanda por antibióticos, mas a oferta estava sendo reduzida. A plataforma permitiu-nos ver a necessidade com base nas pesquisas dos clientes; a inteligência de mercado local nos informou que alguns desses produtos estavam disponíveis em países vizinhos. Isso nos levou a explorar a ligação com fornecedores e distribuidores e trabalhar com reguladores para que os medicamentos pudessem ser importados de mercados próximos, em vez de vários continentes.  

Como a pandemia fez você repensar as cadeias de suprimentos?   

Um problema que encontramos é que alguns clientes lutam para rastrear o estoque com eficiência. Eles nem sempre têm visibilidade da oferta e da demanda, e muitos pagam mais e estocam mais produtos do que realmente precisam.  

Por isso, trabalhamos para encontrar soluções inovadoras.   

Começamos a treinar clientes em habilidades básicas de negócios, como boa gestão financeira, contabilidade e manutenção de estoque. Outro aspecto é rastrear padrões de prevalência de doenças para prever a demanda do produto. 

A transparência também está tornando a cadeia de suprimentos mais eficiente. Assim, quando os clientes entram na plataforma procurando uma molécula específica, eles podem ver preços diferentes entre os distribuidores e tomar uma decisão informada.   

Como os pacientes se beneficiam?   

O que pode ser o maior benefício é que, devido às lacunas na cadeia de suprimentos preenchidas por meio da visibilidade dos fornecedores, há uma garantia de que os pacientes podem acessar os produtos na última milha. 

Além disso, os produtos em nossos catálogos têm qualidade garantida e os pacientes estão vendo preços mais baixos. 

Nossa pesquisa interna descobriu que os consumidores viram economias de custo entre 10 e 30% durante os primeiros três anos de operação da MedSource.  

Portanto, se cinco farmácias de um bairro estão vendendo aspirina ou um determinado EPI, o consumidor tem uma escolha baseada no preço, entre outros fatores.   

Por que a MedSource começou no Quênia?  

O governo queniano tem sido muito ativo nos esforços para melhorar sua gestão farmacêutica. Os cuidados de saúde são um pilar fundamental no seu plano Visão 2030, pilar chave na sua Plano Vision 2030, que inclui estratégias para garantir que medicamentos de qualidade sejam regulamentados, baratos e acessíveis. Isso ajuda a incutir confiança no que estamos fazendo na MedSource e fornece um ambiente de trabalho confiável e estável.  

Além disso, a MSH tem um histórico robusto no país, tendo trabalhado aqui por décadas na cadeia de suprimentos e outros desafios farmacêuticos. Fomos capazes de construir relacionamentos existentes para expandir nossa rede. Isso fez com que fosse um bom ajuste.  

Você vê o MedSource como um modelo que pode ter sucesso em outros países?  

Sim. A MedSource planeja expandir dentro da Comunidade da África Oriental, seguida por outros países da África Subsaariana e da África Ocidental. A República Democrática do Congo agora faz parte da Comunidade da África Oriental e algumas organizações manifestaram interesse em parcerias. Algumas entidades na Nigéria também manifestaram interesse em nosso modelo. 

Em seu tempo livre, você é diretor do conselho e voluntário da Sociedade da Cruz Vermelha do Quênia. Como o voluntariado para a Cruz Vermelha inspira seu trabalho?  

Sou Voluntário da Cruz Vermelha do Quênia nos últimos 10 anos, seis dos quais servi no conselho de administração. Os esforços de voluntariado envolvem a contribuição de recursos (materiais, monetários, mobilização e habilidades de influência) para os vulneráveis ​​por meio de intervenções da Cruz Vermelha.  

Liderando a equipe MedSource, consolidamos uma iniciativa de responsabilidade social corporativa pela qual a equipe doa sangue durante as campanhas de doação lideradas pela Cruz Vermelha.   

E você fala 10 idiomas!   

Sim! Inglês, Gujarati, Hindi, Marathi, Malayalam, Bengali, Kiswahili, Konkani, Espanhol e Vietnamita. Malayalam é minha língua materna e estudei inglês, hindi e marata na escola. Os outros eu peguei no decorrer do meu trabalho.   

Ser proficiente em todos esses idiomas me permite absorver um modo de vida da fonte original, sem me perder na tradução.  

Você faz conexões instantâneas quando sabe algo sobre o país ou a herança de outra pessoa e fala o idioma em que ela se sente mais à vontade para conversar. Pretendo aprender alemão e chinês em breve!  

Procurar