Wolbachia: um novo método de controle de mosquitos para controlar a propagação da dengue

23 de agosto de 2022

Wolbachia: um novo método de controle de mosquitos para controlar a propagação da dengue

A Management Sciences for Health (MSH) está trabalhando para determinar quais países ao redor do mundo estão dispostos a pagar para usar um patógeno novo e eficaz chamado Wolbachia para controlar os surtos crescentes de dengue. 

Uma bactéria de ocorrência natural, a Wolbachia provou reduzir a propagação do vírus da dengue, que causa mais de 36,000 mortes por ano. A dengue é mais difundida na América Latina e no Sudeste Asiático, mas projeções recentes sugerem que a África provavelmente verá a maior mudança no risco de dengue nas próximas décadas – particularmente na África Austral e na região do Sahel na África Ocidental, em grande parte devido a mudanças nas temperaturas e aumento das chuvas. 

A Wolbachia também tem o potencial de ajudar a conter a propagação de uma série de outras doenças infecciosas que matam dezenas de milhares de pessoas anualmente, como zika, chikungunya e febre amarela. 

Os especialistas da MSH estão revisando orçamentos de saúde, realizando revisões de literatura e pesquisando gerentes de controle de vetores e pagadores privados e públicos como parte de sua descoberta de fatos. A diretora técnica sênior Eliza Love e o consultor técnico sênior Andrew Carlson explicam como a Wolbachia funciona e a necessidade urgente de melhores técnicas de controle de mosquitos. 

Você pode percorrer o escopo do desafio de saúde pública? 

A Aedes aegypti O mosquito é o principal transmissor dos vírus da dengue, zika, chikungunya e febre amarela. A rápida expansão dos centros urbanos, juntamente com as mudanças climáticas e o crescimento populacional, forneceu um terreno fértil abundante para esse vetor, contribuindo para cerca de 390 milhões de infecções por dengue em todo o mundo a cada ano – um aumento de 30 vezes na incidência global nos últimos 50 anos —colocando mais da metade da população mundial em risco.  

Não existe tratamento específico para a dengue, dando importância adicional à prevenção por meio do controle de vetores. No entanto, as abordagens de controle de vetores existentes por si só se mostraram insuficientes para controlar a população de mosquitos ou as doenças mortais que ela transmite. 

Novas abordagens são necessárias para controlar o surgimento e, eventualmente, eliminar essas doenças. Uma nova técnica inovadora que provou ser bem-sucedida na redução efetiva da transmissão da dengue é a Wolbachia. 

O que é Wolbachia e por que é importante? 

Essa tecnologia envolve infectar uma amostra de mosquitos ou ovos de mosquitos com uma bactéria bloqueadora de vírus de ocorrência natural chamada Wolbachia e liberá-los em uma população nativa de mosquitos. A bactéria Wolbachia impede que esses mosquitos transmitam a dengue para outros mosquitos e, consequentemente, para a população humana circundante. Os mosquitos infectados com Wolbachia então procriam e gradualmente ultrapassam a população nativa de mosquitos, protegendo ainda mais a população humana circundante dessas doenças mortais. 

Wolbachia é seguro? É eficaz? 

Várias avaliações do método Wolbachia descobriram que é seguro para pessoas, animais e o meio ambiente com risco geral insignificante. A aprovação regulatória do governo e o apoio da comunidade são dois componentes críticos para garantir o alinhamento com as prioridades locais e são solicitados antes que ocorra qualquer liberação de Wolbachia. É importante enfatizar que a Wolbachia é uma bactéria de ocorrência natural e não envolve substituição ou modificação de genes. 

A tecnologia foi testada em mais de uma dúzia de países nas Américas e na Ásia. Tem se mostrado uma abordagem extremamente eficaz para reduzir a incidência de dengue e o número de internações relacionadas à dengue. UMA recente ensaio clínico randomizado olhando para o impacto da Wolbachia na cidade de Yogyakarta, na Indonésia, encontrou uma redução de 77% na incidência de dengue e uma redução de 86% nas hospitalizações em áreas onde a Wolbachia foi implementada com sucesso.  

Como os países pagam por isso? Existem maneiras criativas de destacar

A pilotagem dessa tecnologia foi amplamente financiada por doadores, com Cingapura e alguns outros países financiando independentemente a implementação. Ampliar a tecnologia em países de baixa e média renda, onde a necessidade é maior, provavelmente exigirá que os governos tragam outros pagadores para compartilhar o custo de produção e implantação. 

O que o MSH está fazendo com este trabalho?  

Nossa equipe de financiamento está explorando como essa nova tecnologia pode ser financiada em escala em alguns países de alta prioridade. Especificamente, estamos trabalhando em cinco países para entender quais podem ser as fontes de financiamento para Wolbachia: Bangladesh, Brasil, Colômbia, Indonésia e Nigéria. Estamos em parceria com as partes interessadas para identificar possíveis estruturas de financiamento que funcionem nesses diferentes contextos, determinar quanto os potenciais pagadores estariam dispostos a investir por meio dessas estruturas e avaliar quais atributos da introdução da Wolbachia os diferentes pagadores preferem ou priorizam. 

Existe um papel para outros setores

Os arranjos de financiamento variam de acordo com o contexto único de cada país. Como em qualquer intervenção de saúde, o sucesso e a sustentabilidade dependem do total apoio do governo e da comunidade. Outros ministérios além da saúde – como agricultura, meio ambiente ou infraestrutura – estão se envolvendo cada vez mais nas atividades de controle de vetores, devido ao amplo impacto das doenças transmitidas por mosquitos e à necessidade de uma resposta abrangente. 

Há também espaço para colaboração com outros parceiros, como o setor privado, organizações não governamentais e bancos de desenvolvimento, para apoiar a Wolbachia decolando e possivelmente até no ar! 

Qual é a parte mais emocionante desta abordagem

As características da Wolbachia que mais nos impressionaram são que as reduções na carga da dengue prometem ser quase imediatas e que a população circundante é protegida por pelo menos uma década após as liberações iniciais, antes que liberações adicionais possam ser necessárias. Se a tecnologia for implementada em escala global, poderemos estar olhando para reduções rápidas, abrangentes e sustentadas nas doenças transmitidas por mosquitos que atormentam a humanidade há milênios. 

Procurar